Tumblelog by Soup.io
Newer posts are loading.
You are at the newest post.
Click here to check if anything new just came in.
leora9699099

Marcelo Victor/Arquivo 2018B

Marketing Nas Redes Sociais Pra Academias


Gustavo, depois de entrar em um curso de pós-graduação, resolveu modificar a equipe da produtora audiovisual para seguir o sonho de fazer mais filmes de entretenimento, do cinema à internet. Maurício, em seu projeto de busca, estuda como políticas públicas podem incentivar a criação de um polo tecnológico em Bauru, no interior de São Paulo.


Fernanda faz parcela de um grupo de alunos que construiu uma agência de publicidade na graduação e tenta se aproximar de startups paulistanas através de "hackathons", as maratonas de programação que instigam profissionais de tecnologia. Rafael entrou no mestrado profissional decidido a elaborar um sistema para administrar supereventos, como o carnaval do Rio. Eles têm mais em comum do que imaginam. Todos são citados como exemplos de como o conceito de economia criativa tem sido explorado no ensino superior, seja para empreender por conta própria em mercados inovadores ou estudá-lo como um novo fenômeno pela comunidade. A diversidade de iniciativas é um reflexo da ampla conversa em relação ao cenário.


Há um debate na academia sobre a descrição do que é, no final das contas, a economia criativa. Normalmente, o termo é filiado ao setor que existe em redor das "indústrias criativas" como Design, Intercomunicação, Artes e Arquitetura, além de outros mais. Na maior quantidade dos estudos que objetivam verificar o tamanho nesse setor (quanto dinheiro movimenta, quantos profissionais emprega, a que velocidade cresce), essa é a explicação levada em conta.


Pra alguns estudiosos, entretanto, a economia criativa é um conceito ainda mais imenso do que isso. Entre os especialistas que defendem uma análise mais ampla da economia criativa no ensino superior está a professora Ana Carla Fonseca, que coordena um Programa de Educação Continuada (PEC) a respeito do assunto pela Fundação Getulio Vargas (FGV). Para ela, as universidades precisam abordar o questão como um assunto transversal e incluí-lo nos currículos de cursos em numerosas áreas do discernimento.


Contudo ainda não é necessário, ela argumenta, transformar a economia criativa em um curso de graduação. No programa que trata do tópico na FGV, a conversa é abrangente. Os alunos começam o curso com aulas sobre isso as alterações na economia global com a tecnologia. O Guia Completo: Como Ganhar Seguidores Com facilidade , há debates sobre isso como trabalhar com isso na prática. Pela pauta, estão modelos de negócio que têm chance de sucesso neste cenário, como transformar um modo criativo em projeto de serviço, que regras regem o certo de domínio intelectual e formas de remunerar o recurso criativo de forma justa.


Uma das preocupações de Quem Concebeu O Quê? ao estudar o conteúdo é a preparação para o futuro do trabalho. Em tempos de tristeza com os possíveis impactos do desenvolvimento da inteligência artificial e da automação no mundo do trabalho, uma transformação que neste momento está em andamento, ela reforça a credibilidade de construir, no ensino, habilidades como a criatividade. À frente de uma produtora audiovisual há quase três anos, ele neste momento usou as conversas das aulas pra fazer modificações respeitáveis no teu negócio. A empresa tem a maior parte dos consumidores no mercado publicitário e corporativo, com serviços que irão de cursos online a transmissões ao vivo.


Lucena entrou na pós-graduação pra entender uma forma de trabalhar com entretenimento e gerar séries, vídeos e documentários. Com as dicas de professores, ele resolveu apagar o número de funcionários da organização pra proporcionar mais tempo a esse plano. O curso de pós-graduação de Lucena faz porção de um rol de programas que a Faap está criando ou reformando pra se moldar à realidade. Novas das iniciativas são desenvolvidas no Núcleo de Inovação em Mídia Digital (Nimd), que desenvolve pesquisas e apresenta cursos focados em novas formas de intercomunicação.


Um dos projetos desenvolvidos no núcleo é uma mídia social que conecta alunos e ex-alunos da fundação. Com o aplicativo, eles são capazes de observar o endereço profissional de colegas em um mapa e marcar encontros. O intuito é que a ferramenta facilite o networking pela comunidade universitária. Fora do núcleo, há assim como outros cursos de extensão e pós-graduação em que a instituição de ensino aposta pra se encaixar às transformações no mercado de intercomunicação, como Escrita Criativa, Marketing Digital e Comunicação em Mídias sociais. Outra transformação ocorreu pela graduação em Publicidade e Propaganda.



  • Date: Dezessete de dezembro de 2013

  • Marcela Hernandes comentou: 23/07/12 ás 00:04

  • Notar o público-alvo

  • A Terra e o espaço



Os formandos nesta hora necessitam fazer dois Trabalhos de Conclusão de Curso, e um deles necessariamente é um plano de negócio em comunicação (PNC). Nele, um grupo de até oito alunos deve planejar e implementar a constituição de uma empresa. Foi o caso da Neste momento Tirei Muitas Fãs Da Depressão, Alega Atriz Thaíssa Carvalho , de 25 anos, e outros 6 colegas, que estão em seu último semestre da universidade.


Eles construíram uma agência focada no mercado de startups e aceleradoras, que se propõe a prestar serviços como campanhas publicitárias, criação audiovisual e consultoria em intercomunicação. O estímulo de imediato é terminar o curso com no mínimo um consumidor. Sebrae Fornece Capacitações Sobre Gestão E Marketing Nas Redes Sociais das estratégias de aproximação é promover uma "hackathon" pela campanha de lançamento da agência.



Get rid of the ads (sfw)

Don't be the product, buy the product!

Schweinderl